sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Oba, faltou luz!

Quando a gente via aquele pisca-pisca adoidado no céu, em ritmo frenético e com sons estrondosos, já sabia o que estava por vir. Era batata: alguns minutos de raios e trovões e puff, a luz tratava de acabar.

Eu e meus irmãos corríamos atrás de velas e lanternas (sempre sem pilha) e nos abrigávamos na cozinha – onde o espaço, menor, nos mantinha mais próximos –, esperando nossos pais voltarem do trabalho. Com TV, aparelho de som e todas outras distrações elétricas desligadas, a gente se punha a conversar, enquanto minha mãe preparava alguma coisa pro jantar. Meu pai trazia o violão, meu irmão batucava na mesa, e o resto seguia cantando a música que primeiro surgisse à cartola. Tinha sempre aquelas em que ninguém chegava no tom certo – um desastre. Mas não desanimávamos. Junto com a música começava um show de dancinhas e de sombras esquisitas na parede. Quando a viola cansava, contávamos histórias fabulosas.

Era só olhar para o teto e, segundo meu pai, lá imaginar uma grande tela de cinema. Dela saíam ursos bravos a defender seu território, helicópteros atingidos por bazucas, mocinhas inocentes perdidas pela floresta... A criatividade atravessava a noite e, quando alguém se lembrava de checar o relógio, já tinha passado da hora de ir pra cama. Ainda no escurinho, levávamos as velas para o banheiro, para escovar os dentes, e nos deitávamos, rezando pra que, no dia seguinte, a luz acabasse de novo.

13 comentários:

  1. Lucas Gouveianovembro 18, 2011

    Demais seu blog.

    ResponderExcluir
  2. muito bom seu texto.

    ResponderExcluir
  3. Kkkkkkkkkkkk...

    ResponderExcluir
  4. Vitor Botelhonovembro 19, 2011

    Adorei o texto. Bem voce mesmo.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto. Muito lindinho...

    ResponderExcluir
  6. Karina Toledonovembro 21, 2011

    Rsrsrsrs... Sempre temos as mesmas histórias.

    ResponderExcluir
  7. Danielle Calheirosnovembro 22, 2011

    Muito linda essa história.

    ResponderExcluir
  8. Patricia Amaralnovembro 23, 2011

    Muito bom o texto.

    ResponderExcluir
  9. Adoro seus textos, são muitos criativos e cheios de emoções.

    ResponderExcluir
  10. Wellida Fonsecanovembro 23, 2011

    Muito bom.

    ResponderExcluir

Serão rejeitados comentários que desrespeitem o dono do Blog, apresentem linguagem ou material obsceno ou ofensivo, sejam de origem duvidosa, tenham finalidade comercial ou não se enquadrem no contexto do post.